quarta-feira, 27 de março de 2013

O Suplício da Crucificação


"O homem que se tornou Deus"(= livro),  de Gerald Massadié

O retrato inédito de Jesus numa obra magistral e apaixonante.

Em que ano nasceu, na realidade, Jesus Cristo? Onde passou a sua juventude? Quantos discípulos efetivamente teve? Porque é que Sinédrio o condenou à morte? E porque é que, expondo-se a um inimaginável escândalo, dois dos juízes do tribunal que o condenou decidiram reclamar o seu corpo a Pilatos?
Estas e muitas outras questões encontram resposta na presente obra de Gerald Messadié que, ao longo de vários anos, investigou exaustivamente todas as fontes disponíveis: os Evangelhos canônicos  os Evangelhos ditos apócrifos, o Evangelho de Tomás, os célebres Manuscritos do Mar Morto, as mais recentes descobertas arqueológicas...

O Homem Que Se Tornou Deus» é o resultado desse longo e complexo trabalho, levado a cabo com extrema seriedade e notável rigor científico com o objetivo de trazer finalmente à luz, quase dois mil anos depois, fatos que têm permanecido ocultos ou foram deturpados em sucessivas - e, em muitos casos, tendenciosas - interpretações.


O texto abaixo foi retirado desse livro, mas descreve a tortura de um ladrão e não a  de Jesus. Partindo do princípio que Jesus foi também crucificado, o suplício foi o mesmo.



“A rajada de vento cegava,  secava e enegrecia o sangue e também o suor que escorria pelas costas e pernas do homem nu que arquejava ao subir a margem esquerda do Tyropéion. O homem carregava nos ombros um madeiro de carvalho com quatro côvados de comprimentos (02 metros) vazado no meio por um entalhe através do qual, para equilibrar-se, havia passado o pescoço.
..............................................

O ladrão e os legionários começaram a subida do Gólgota. Não era uma colina íngreme, mas o ladrão estava sem fôlego. Parou por um instante.
— Andando! — ordenou um legionário.
Chegaram, por fim, ao alto. Lá perfilavam-se cinco cruzes, uma delas mais elevada que as outras. Havia também um simples poste, à espera da trave que o ladrão lançou ao solo, arfando com toda a força dos pulmões. Olhou as cruzes e estremeceu. Numa, pendiam os restos de um cadáver, a parte de cima retalhada pelos abutres e a de baixo por outros  predadores como as  raposas e chacais, provavelmente.

As costelas do flanco esquerdo haviam sido descarnadas. Faltava uma perna, levada pelos animais carniceiros depois que os carrascos quebraram as tíbias. O pescoço, em particular, fora tão maltratado pelas aves que o crânio sem olhos prendia-se ao tronco apenas por alguns ligamentos ressecados
e balançava ao vento, sobre o peito, como em uma negativa obstinada.

Um legionário tomou a sentença que condenava Efraim à morte por crucificação e estendeu-a ao carrasco-chefe de plantão. Este, visivelmente míope, quase teve que enfiar o documento no olho direito para decifrá-lo.
— Efraim! — exclamou ele. — Mas é o nome do meu filho mais velho!
Piscou, encarando o ladrão. Depois, estalou os dedos e dois ajudantes agarraram o condenado pelos braços e o arrastaram até o poste. As pernas do ladrão amoleceram. Puseram-no de pé e o encostaram à madeira. Enfiaram-lhe nos braços laços corrediços de corda, apertados sob as axilas. O carrasco-chefe,
empoleirado numa escada, fixava a trave no poste, por meio de nós entrecruzados.

Quando a cruz terminou de ser armada, os auxiliares jogaram as pontas livres das cordas por sobre a trave e içaram o ofegante ladrão, cujos pés ficaram pendendo a menos de um metro do chão.
— Vamos! — mandou o chefe.
Os legionários mantinham-se a distância, para evitar o fedor do cadáver apodrecido. O carrasco-chefe deslocou a escada e, firmando-a à esquerda, tirou do grande bolso do avental de couro um cravo com um palmo de comprimento e um martelo. Segurando o punho do ladrão, apoiou-o sobre a extremidade da trave e tateou os tendões do braço, para sentir o lugar onde introduziria o cravo, antes do pulso, entre o rádio e o cúbito. Começou a enfiá-lo com um golpe vigoroso de  mão, até a profundidade de um dedo. O ladrão soltou um bramido que ecoou em torno da colina do Calvário e subiu ao céu amarelado, onde atingiu sua plena estridência e depois caiu para notas roucas, quase animalescas, entrecortadas de
espasmos.

— Bons bofes, hein? — comentou o carrasco-chefe. — Vão te fazer durar mais um pouquinho!
Martelou o cravo. O ladrão chorava. O sangue pingava de seu punho e caía na terra ressequida, formando manchas negras. O carrasco desceu da escada e levou-a para o lado direito da cruz. O condenado tentou resistir: por duas vezes, conseguiu livrar o braço das garras do verdugo, que esteve prestes a perder o
equilíbrio. O carrasco, praguejando, prendeu afinal o pulso do ladrão à trave e, sem tomar como antes tantos cuidados para localizar os tendões, enterrou o segundo cravo com fúria, martelando-o até quase a cabeça, enquanto o crucificado gritava, aos soluços.

— Agora podem soltar — ordenou o carrasco aos ajudantes.
As cordas foram afrouxadas e o corpo do ladrão caiu de repente, sustentado apenas pelos cravos atravessados nos punhos. Suas espáduas estalaram e seu rosto empalideceu. Um grunhido, tudo o que sua garganta retesada pôde emitir, escapou de sua boca, enquanto os ajudantes desfaziam os laços corrediços com a ponta de uma vara e enrolavam as cordas. O carrasco tornou a descer da escada e enxugou a testa com as costas da mão. Curvou-se sobre os pés da vítima. Com um único cravo, pregou-os, um em cima do outro, sobre um barrote chanfrado que já fora preso à cruz. Em seguida voltou a movimentar a escada e nela subiu para fixar sobre a cabeça do condenado uma placa de madeira, na qual estava; gravada uma só palavra: "Ladrão".

Os legionários pareciam desinteressados do suplício. Examinavam a cruz mais alta, no topo da qual fora pregada outra placa com a inscrição: "Assassino". Sob a placa, o supliciado, ainda vivo, lhes mostrava a língua. O carrasco lavou as mãos numa bacia, deu uma olhada no ladrão, que babava, e aproximou-se dos
romanos.

Um legionário apontou o assassino com o queixo.
— Aquele ali tem cara de aguentar o tranco — considerou.
— Ora! — comentou o carrasco. — Ele está aí há mais de três dias. Um zelote. Apunhalou um soldado. Vocês devem saber do caso.
— Ah, é ele!
O homem lá no alto, uma figura robusta, mirava seus espectadores. A língua, inchada e roxa, projetava-se por entre seus lábios descoloridos. Mas eram sobretudo as espáduas, separadas urna da outra até o limite máximo, que revelavam seu sofrimento. O crucificado esticou um pouco o pescoço e, com uma
voz rouca, disse:
— Porcos! Em resposta, o carrasco cuspiu, num frenesi de ódio.
— Maldito filho de uma cadela! — resmungou.

Correndo a apanhar a escada e um porrete, subiu pelos degraus até alcançar as pernas do supliciado e, com duas pancadas, partiu-lhe as tíbias. O crucificado fechou os olhos. Seu corpo teso, até então sustentado pelo barrote sobre o qual os pés estavam pregados, derribou-se. Instantes depois, estremeceu. O carrasco, encarapitado na escada, sentiu-lhe o coração com o dedo indicador, meneou a
cabeça e desceu, sorrindo.

— Este lixo foi-se! — exclamou. — O cachorro podia durar ainda uma semana!
— Uma semana! — admirou-se um dos legionários.
— Dois anos atrás, tive um que conseguia até falar depois de uma semana! E me xingava! — lembrou o carrasco, entre risos. O vento envolveu-os. Tossiram.
— Não tenho mais nada a fazer por aqui e gostaria de tomar uma cerveja — completou o verdugo.
— Eu também — concordou um legionário.
— Bem, vamos embora,  o garoto de vocês vai ser sufocado dentro de algumas horas. Só quando o tempo esta bom, ou chove, é que aguentam mais. Desceram a colina e foram-se.

O Gólgota ficou quase silencioso. Os gemidos do ladrão continuaram. Abutres surgiram no céu amarelado. A poeira dançava diante do sol. Um sol que parecia pulsar, alternando tons verdes e purpúreos. Um sol que se assemelhava a uma divindade ameaçadora que, certamente, não podia ser Deus”

31 comentários:

  1. Chama atenção que a brutalidade com que a maioria das sociedades antigas tratava os condenados (e era tudo feito na estrita forma da lei) seria crime hediondo nas sociedades atuais.

    Isto me leva a imaginar e mesmo apostar que para as gerações futuras NÓS seremos tão bárbaros quanto consideramos hoje os nossos antepassados.

    Tenho a impressão que para tentarmos escapar desta triste sina bastaria seguir uma regra apenas, a que se encontra em Mateus 7:12 - Tudo o que quereis que os homens vos façam, fazei-o vós a eles.

    O problema é que depois de 2000 anos nós não evoluímos tanto assim e não conseguimos nem amar/tratar o próximo como a nós mesmos. Que pena quando a alma é assim pequena.

    Por falar nisto, VOCÊ ama/trata o próximo como a si mesmo?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Claro que eu te amo, Hosaka. Da mesma forma que amo a todos os seres humanos. Já concordar com tudo o que fazem é outra conversa. Apoio incondicional nem a nim mesmo, vivo me equivocando (exceto por amar a todos).

      Excluir
    2. Por falar nisto,

      Mateus 7:12 - Tudo o que quereis que os homens vos façam, fazei-o vós a eles.

      VOCÊ ama/trata o próximo como a si mesmo?

      Excluir
  2. Suponho que não existia polícia naquela época, logo os condenados enfrentaram o crucifixo com a ajuda dos jagunços dos grandes coronéis daquela época. Não se tratava de um simples ladrão ou assassino, mas de infelizes que se deram mal na hora de lidar com alguém mais afortunado na época. Eu também vejo Jesus Cristo assim, alguém que ameaçou a autoridade dominante da época, por isso que é bastante difícil de entender essa doutrina que afirma que ele morreu por todos os nossos erros.

    Acho que o padre José foi bastante feliz ao comparar um ser humano contemporâneo com Jesus. Todo ser humano nasce de uma mulher, é o que aconteceu com Jesus. Todo ser humano morre, é o que aconteceu com Jesus. Então, qual a única diferença entre um ser humano e Jesus? Nenhum! A única diferença notável é que ele ressuscitou, isso de acordo com o testemunho dos apóstolos.

    Ou seja, se você acredita nos apóstolos, então você é cristão. Se você não acredita nos apóstolos, então você não é crente. Mas a parte mais significativa na Bíblia está na montagem. O Antigo Testamento é formado por textos de um profeta só. O Novo Testamento é formado por textos de vários apóstolos, mas com apenas um só tema: Jesus. Ou seja, o texto que a SA destacou foi escrito apenas por uma pessoa. Seria necessário mais textos de autores diferentes para saber se a história bate.

    Ou seja, Deus mudou o paradigma. No Antigo Testamento, só um era o dono da verdade. No novo Testamento, a verdade é o consenso de várias pessoas, pelo menos uns doze.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 1. Na época existiam instituições equivalentes à polícia. O problema é que a própria lei determinava que o condenado deveria ser maltratado daquela forma, inclusive pelos seus desafetos e pela população em geral.

      2. O AT tem vários autores e muitos profetas.

      Mateus 7:12 - Tudo o que quereis que os homens vos façam, fazei-o vós a eles. Esta é a [essência da] lei (e os profetas).

      Se é isto que importa, de que adianta o restante e deixar de (ao menos tentar seriamente) fazer isto?

      Excluir
  3. Hosaka, do jeito que voce vier ... 3 palitos, hehehe

    ResponderExcluir
  4. 4. A Hora da Humilhação


    (1984.2) 184:4.1 A lei judaica então exigia que, na questão da declaração da sentença de morte, houvesse duas sessões do tribunal. Essa segunda sessão devia ser efetuada no dia seguinte ao da inicial; e, o tempo entre as duas, os membros do tribunal deveriam passá-lo em jejum e reclusão. Mas esses homens não podiam esperar até o dia seguinte para confirmarem a sua decisão de que Jesus devia morrer. E esperaram apenas uma hora. Nesse meio tempo, Jesus foi deixado na sala do tribunal sob a custódia dos guardas do templo, que, com os servos do sumo sacerdote, se divertiam em lançar todas as espécies de indignidades sobre o Filho do Homem. Zombaram dele, cuspiram nele e esbofetearam-no com crueldade. E batiam-lhe no rosto com um vergalhão e diziam: “Faze uma profecia, tu Libertador, sobre quem foi que bateu em ti”. E assim eles continuaram por uma hora inteira, insultando e maltratando esse homem da Galiléia que não opunha resistência.

    (1984.3) 184:4.2 Durante essa trágica hora de sofrimento, de provações e de zombaria perante guardas e servos ignorantes e insensíveis, João Zebedeu esperou com um terror solitário em uma sala adjacente. Logo que esses abusos começaram, Jesus indicou a João, com um aceno de cabeça, que ele devia retirar-se. O Mestre bem sabia que, se permitisse ao seu apóstolo permanecer na sala e testemunhar essas indignidades, o ressentimento dentro de João seria tão forte a ponto de produzir uma explosão de indignação e protesto que, provavelmente, resultaria na sua morte.

    (1984.4) 184:4.3 Durante essa hora terrível, Jesus não murmurou uma palavra sequer. Para essa alma humana branda e sensível, unida, em uma relação de personalidade, ao Deus de todo esse universo, não houve nenhum momento mais amargo, no cálice da sua humilhação, do que essa hora terrível à mercê desses guardas e servos ignorantes e cruéis, que haviam sido estimulados a abusar dele pelo exemplo dos membros desse chamado tribunal sinedrista.

    (1984.5) 184:4.4 O coração humano, certamente, não pode conceber o estremecimento de indignação que varreu todo um vasto universo, quando as inteligências celestes puderam testemunhar seu amado soberano sendo submetido à vontade de algumas das suas criaturas, ignorantes e desviadas, na esfera desafortunada e obscurecida pelo pecado, de Urântia.

    (1984.6) 184:4.5 Qual então é esse vestígio do animal, no homem, que o leva a querer insultar e agredir fisicamente aquilo que não pode alcançar espiritualmente, nem conceber intelectualmente? No homem meio civilizado espreita ainda uma brutalidade maldosa, que busca liberar-se sobre aqueles que são superiores em sabedoria e em alcance espiritual. Vede a maldosa grosseria e a ferocidade brutal desses homens supostamente civilizados, que sentem uma certa forma de prazer animal com o ataque físico ao Filho do Homem, que não opunha resistência. Enquanto esses insultos, sarcasmos e golpes caíam sobre Jesus, ele não se defendia, masele não estava sem defesa. Jesus não foi vencido, ele meramente não lutou no sentido material.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. (1985.1) 184:4.6 E esses são os momentos das maiores vitórias do Mestre em toda a sua carreira longa e importante de criador, sustentador e salvador de um universo vasto e variegado. Tendo vivido, em sua plenitude, uma vida para revelar Deus ao homem, Jesus está agora engajado em fazer uma revelação, nova e sem precedentes, do homem para Deus. Jesus está agora revelando aos mundos o triunfo final sobre todos os medos do isolamento da personalidade da criatura. O Filho do Homem finalmente conseguiu a realização da identidade como Filho de Deus. Jesus não hesita em afirmar que ele e o Pai são Um; e, na base do fato e da verdade dessa experiência suprema e superna, ele exorta todos os crentes do Reino a tornarem-se um com ele, como ele e o seu Pai são Um. A experiência viva na religião de Jesus, assim, passa a ser a técnica segura e certa por meio da qual os mortais, espiritualmente isolados e cosmicamente solitários, da Terra, tornam-se capazes de escapar do isolamento da personalidade, com todas as suas seqüelas de medo e de sentimentos associados de desamparo. Nas realidades fraternas do Reino do céu, os filhos de Deus pela fé encontram a libertação final do isolamento do eu, tanto pessoal quanto planetariamente. O crente conhecedor de Deus experimenta crescentemente o êxtase e a grandeza da socialização espiritual em uma escala universal — a cidadania no alto, associada à realização eterna do destino divino de alcance da perfeição.

      Excluir
    2. Ah,mia Nossa Senhora 'parecida,isso é muito bonito...seu Filósofo.

      Excluir
    3. Foi hoje que consegui ter concentração para ler o texto,brother Docontra.
      Daria uma boa "viagem maionésica" esse tema.

      Excluir
    4. O texto ao qual eu me referi,foi o texto que gerou a página.
      O do sr.Filósofo,eu já havia lido da primeira vez.

      Excluir
  5. Olha, eu desconfio que a srta. Nihil e o Hosaka são os mesmos. Quando um some, o outro tambem. Aparecendo um, o outro tambem.! Que coisa, não ? hehehe

    ResponderExcluir
  6. HosakaMalaNihil, do jeito que voce vier ... 3 palitos, hehehe

    ResponderExcluir
  7. A Bíblia detona o Rivailismo:

    O Rivailismo ensina que Jesus era apenas um espírito evoluído, enquanto que a Bíblia afirma que Jesus é Deus.

    "Jesus Cristo, ontem e hoje, é o mesmo, e o será para sempre." (Hebreus 13:8)

    Ora, que significa isso? Que Jesus é imutável e que sempre existiu e existirá, logo, o que a Bíblia está dizendo é que Jesus é Deus, pois somente Deus pode ser eterno e imutável.

    Se Jesus é eterno e imutável, então não pode ser um espírito que partiu do zero e evoluiu em inumeráveis reencarnações, como ensinou Rivail.
    Fica assim devidamente detonado pela Bíblia o Rivailismo.

    ResponderExcluir
  8. Quem aceita o argumento de Rivail, que apresentou como evidência de reencarnação de Elias como João Batista o fato daquele ter mandado decapitar e este ter sido decapitado, iguala-se àquela pessoa que se acha a reencarnação de Safo porque é baixinha como ela!!!!!
    Caraca, que prova irrefutável de reencarnação!
    "Ela era baixinha e eu também."
    É um caso de estrume cerebral, ou não é?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tenho complexo de baixinha,ela foi baixinha,de fato.
      Sou poeta,ela foi poeta.
      Ela foi muito musical,eu também sou.(tenho uns mil mp3s)
      Sou meio palhaça,ela também foi.(é preciso ler e reler a obra dela,para perceber sua ironia.)
      Ela tocou o instrumento musical que eu costumo preferir entre os existentes,- que é a harpa.
      Ela morou numa colina acima do mar,eu gostaria de morar na Serra do Mar,em São Paulo.(mais do que em outros locais)
      Ela não se deixou retratar,eu não me deixo fotografar.(não gosto de fotografias)
      Ela foi devota,em sua meia idade,da deusa Témis,eu costumo orar para sri Avalokistewara,que é a antiga deusa,reeditada na tradição budista.

      Reescrevi algumas de suas poesias,nos anos oitenta e noventa.
      (sem saber que as mesmas já existiam.)
      E mais...

      ...xi,deixa eu parar,porque a lista não tem fim.

      Aliás, Adilson...como vai a sua entropia? (tóiing...)


      (hehe!)
      Sei que eu não precisava falar nada disso,mas não resisti ao impulso.

      Espero que tenham almoçado algo bem saboroso.
      Bom serviço a vcs.

      Excluir
    2. Esqueceu de dizer as outras coincidências, Safo também tinha dois olhos, duas orelhas,duas pernas...só que ela era verdadeiramente POETISA, porque não era homem. Poeta é substantivo masculino.

      Excluir
    3. Olá, Adilson.

      Não gosto das palavras "heroína",nem "poetisa".
      Para mim,herói mulher,é uma herói.
      Poeta mulher,é uma poeta.
      E o substantivo "poeta" pode gramaticalmente ser usado para classificar as poetas mulheres-

      Eu idem sou VeRdAdEiRaMeNtE poeta, senhorzinho,que história é essa? (haha!)
      Posso atualmente,ser infantil,mas nunca deixei de ser lírica.
      Meu objetivo agora(com esse texto),é outro.
      Desejo completar a mensagem que escrevi mais cedo.

      Eu poderia listar outras coincidências entre mim e a moça de antigamente.
      E passar a limpo minhas poesias.
      Contudo,uma pergunta é imposta a mim,e imagino que os leitores pensam tal pergunta.
      Afinal,desde que eu soube que tenho um vínculo com essa personagem,ora ou outra,estou falando a respeito.

      Se eu fui ela,porque continuo "vindo ao mundo"?
      Uma vez que conhecemos alguma vida passada mais intensa,ficamos próximos de intuir nosso objetivo "maior",pois avaliar duas passagens seguidas que vivemos,nos dá uma idéia de qual é a nossa orientação.
      A história da Safo não é a única das minhas recordações velhonas,mas é a mais importante.

      Uma jovem que cantou tão divinamente o amor,não deveria estar no céu,ao lado dos deuses?
      As memórias dos períodos "entre as vidas" não nos são acessíveis,pois vidas passadas são rememoráveis apenas no mesmo mundo,e quando se pertence à raça na qual se viveu a tal vida anterior.(raça humana,por ex,no planeta Terra)
      Nos mundos do renascimento,somos almas,e não somos necessariamente humanos,e além de tudo,os mundos são outros.
      Talvez eu vivi muito tempo no "céu dos deuses".
      No Budismo,os planos de existência póstumos são seis,a saber,
      inferno,mundo dos famintos,mundo dos preguiçosos,mundo dos humanos,mundo dos santos,mundo dos deuses.
      Qualquer um que migra para um dos seis locais,está sujeito à reencarnação.

      Meu destino na Terra, é esgotar um carma no uso da palavra.
      Assim como um dia falei "alto" sobre o amor, dando ensejo a uma forma mais romântica de pensar,dando ensejo à literatura feminina,e produzindo outras revoluções, imagino que passarei todo o "samsara"(período de vidas comuns) falando alguma coisa,e sendo ouvida.
      Devo ser uma comunicadora natural.
      Dificilmente para mim,algum dia,as palavras serão trocadas por números ou por imagens.

      Isso pressupõe o trabalho em profissões como direito,jornalismo,magistério, saúde pública (como orientadora),psicologia,psicanálise, entretenimento, produção de romances/roteiros/artigos literários ou para quaisquer mídias, filosofia, política,etc.
      Meu jeito de chegar ao equilíbrio,é pensando muito.
      Minhas primeiras meditações foram baseadas em mantras.
      O mundo só faz sentido,quando eu posso resumi-lo numa frase.
      Descartes disse, "penso,logo existo."
      Eu direi,

      "existo,logo,devo ser um pensamento".
      Para mim,a palavra(um mantra) criou tudo o que existe.
      Uma poesia sobre Deus,que fiquei quinze anos sofisticando,chama-se "Pensamento" e comenta o dia de Brahma.
      Em meu ponto de vista,existimos,porque o universo ainda não parou de pensar uma palavra.
      O ruído dela é intenso,e inaudível pelas criaturas.

      Eu só entendo quando penso.
      Eu só penso o que eu posso falar.
      Eu invento palavras e neologismos.
      Safo também foi boa com neologismos.

      Meu destino é a alteração das realidades através da comunicação.
      Por isso,eu encontrei gds e blogs na internet.
      Antigamente,eu morria de medo de computador.
      Meu impulso para me expressar,contudo,era forte,por isso,consegui ter autonomia virtual.
      Fiquei um ano pesquisando para comprar meu primeiro pc.
      Alguns tiveram pena da trabalheira que eu tive,quando eu podia tê-la delegado a alguém mais entendido do que eu.
      Mas,eu aprendi algumas coisas,consultando várias pessoas,inclusive ao sr.Hosaka,ao prof.Andros,ao sr.William.





      Excluir
    4. conclusão

      Se meu desejo de falar bastante,não me empurrasse,quem sabe atualmente,eu teria só um celular LG,e não passaria disso.

      Saber como é o nosso procedimento de vida,pode não ser o mesmo que saber o que nos faz felizes,mas é de grande ajuda.

      E você,Adilson,ou qualquer leitor,- tem noção de onde sempre esteve seu maior interesse?
      Isso requer autoatenção,pois vários não tem a sorte de conhecer vidas passadas.
      Eu precisei conhecer duas delas(a outra,não vêm ao caso...) porque sou a mais distraída das criaturas.
      Se não as tivesse conhecido,nunca ia saber com certeza,quem sou eu...


      ...procure se encontrar,você a você também.

      Gostei dessa prosa.

      §§§§§§§§§§§§§§§§






      Excluir
    5. Olha, eu desconfio que a srta. Nihil Metilena e o Hosaka Nihil Pegnoratto são os mesmos. Quando um some, o outro tambem. Aparecendo um, o outro tambem.! Que coisa, não ? hehehe

      Excluir
  9. ... o macacão retardadão, pastor impostor 233, acha que "o deus dele" saiu de seu trono dourado lá no partaíso, veio cá feito homem e andou por aí falando dele mesmo dizendo-se nosso irmão e que...

    ... por condição por ele mesmo imposta, se deixou sacrificar para assim, o proprio, aceder perdoar os pecados do mundo... :)))...

    caramba... esse infeliz 233, enredado em sua alienação anti-Espirita, está ficando a cada dia que passa mais idiota e retardadão...

    coitado... por ser tão imbecil não se enxerga... :)))...

    bom mas... já se sabe que perolas a porcos não... contudo...

    ... marretadas biblicas em suas cabeçorras que albergam mentes alucinadas e imbecis, nunca são de mais...

    "Disse-lhe Jesus: Não me retenhas, porque ainda não subi a **meu Pai**, mas vai **a meus irmãos** e dize-lhes: Subo para

    **meu Pai e vosso Pai, meu Deus e vosso Deus.** (São João 20, 17)

    :)))))....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. não seria necessário retificar mas faze-lo não custa nada...

      ... aí acima, onde se lê "partaiso" deve ler-se paraíso, evidentemente...

      :)...

      Excluir
    2. "Também sabemos que o Filho de Deus é vindo e nos tem dado entendimento para reconhecermos o verdadeiro; e estamos no verdadeiro,em seu Filho, Jesus Cristo. ESTE É O VERDADEIRO DEUS E AVIDA ETERNA. Filhinhos, guardai-vos dos ídolos." (1João5:20,21)

      Excluir
    3. :)))... o idiota macacão 233 gosta de levar marretada naquela cabeçorra descomunal...

      o retardadão militante quer insistir, nessa imbecilidade que lhe forma o QI, que Jesus era o próprio "deus" andando por aí em corpo de homem...

      ... pois bem... vamos fazer a vontade dele, burrão 233 feito pastor-impostor, e dar mais uma marretada em seu charco mental...

      ... e vamos faze-lo dando a palavra ao proprio Jesus...

      São João 8, 28
      Jesus então lhes disse: Quando tiverdes levantado o Filho do Homem,

      ****então conhecereis quem sou e que nada faço de mim mesmo, mas falo do modo como o Pai me ensinou.****

      infeliz macacão (des)interpretador 233... idiota profundo que é, não enxerga que mesmo anonimo não deixa de expor o quanto é profundo em sua burrice e merecer compaixão de todos os que são sérios no querer entender destas questões...

      coitado!!|!...



      Excluir
    4. Tradução errada ou adulterada pelo lusitano.

      No original grego está : "tóte guinóssesthe hóti EGÓ EIMI".
      Literalmente: "então sabereis que EU SOU."

      No grego, como no latim, só se usa o pronome de forma enfática, "eu falo" então significa "eu que falo, e não outrem".

      Quando João usa a forma "egó eimi", ele está usando o nome de Deus dado a Moisés, EU SOU, como na enconta na Bíblia traduzida para o grego no séc III a.C.
      João faz essa colocação para mostrar que Jesus é Deus feito homem. Jesus não é o Pai, mas é Deus, é a Palavra de Deus que se fez carne e habitou entre nós.
      A expressão Filho do Homem e Filho de Deus vou explicar outra hora, não para o galego, porque é inútil, mas para quem se interessar.

      Em latim se diz "sum" , eu sou, mas Jerônimo colocou o pronome, como no original grego, ego sum:

      dixit ergo eis Jesus cum exaltaveritis Filium hominis tunc cognoscetis quia EGO SUM et a me ipso facio nihil sed sicut docuit me Pater hæc loquor (Jo 8:28)


      Excluir
    5. HEHEHEH... cada vez mais ridículo este macacão 233...

      ... agora vem despejar que possivelmente deturpei a Biblia quando se sabe perfeitamente que quem passa todo tempo deturpando/inventando/(des)interpretando... as partes bíblicas que lhe marretam a cabeçorra descomunal e sustentam a D.Espirita de forma inequivioca, é ele proprio!!!...

      basta o macacão (des)interpretador ir, por exemplo, nessas Bíblias dos link's abaixo e verificar em João 8,28 como lá está dito...

      http://www.bibliacatolica.com.br/busca/biblia-ave-maria/novo-testamento/as+obras/page/3/#.UVwk3PpdbDc

      http://www.assembleiaparadeus.com.br/index.php?tema=1&formbusca=Busca&lvBiblia=NT_Jo&maxpag=40&id=10

      mais...

      ... nas Biblia em que aparece "eu sou" , Jesus continua dizendo que é ENVIADO pelo PAI... Portanto...

      e ainda...

      se Jesus fosse o proprio "deus" (caramba, até custa dizer esta baboseira/idiotice/imbecilidade...) então nós tambem o seriamos, já que...

      ... para alem da demonstração aqui colocada (por diversas vezes) onde Jesus se diz nosso irmão, filhos do MESMO PAI e DEUS CRIADOR, temos também Sua indicação que aponta para...

      ... veja-se para onde em João 14,12

      "Em verdade, em verdade vos digo: aquele que crê em mim fará também as obras que eu faço, e fará ainda maiores do que estas, porque vou para junto do Pai."

      Enfim... o macacão-retardadão 233, em sua alienada loucura anti-Espirita não quer aceitar, mas...

      ... por muitas piruetas tresloucadas que encene, JAMAIS (e ponha-se JAMAIS aí!!!) VAI CONSEGUIR!!! que o Espiritismo não seja o PURO CRISTIANISMO redivivo...

      (aliás, esse pastor-impostor233 sabe bem da razão Espirita, daí sua desesperada e alucinada perseguição à D.Espirita/Espiritas... Não tem outro jeito)... :(...



      Excluir
  10. Apesar do Hosaka trabalhar na área de cobrança, seu patrão pediu-lhe que levasse uma encomenda a um endereço no Jabaquara . Disse que normalmente de carro daria uns 15 minutos e perguntou-lhe : Frank Hosaka Nihil , quanto voce vai levar de pé ?hehehe

    ResponderExcluir
  11. Pena de morte para traficante, bandido, cáften e pedófilo. Lugar de bandido é no fundo da cadeia ou estrebuchando na ponta de uma corda!! Não se preocupe - quem não deve, não teme! Olá, Hosaka, muita ardência nesse teu tumultuado rabicózão de católicuzudaço benzido pelo Magalha ? hehehe

    ResponderExcluir

  12. João 1

    1 No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus.

    2 Ele estava no princípio com Deus.

    3 Todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele nada do que foi feito se fez.

    4 Nele estava a vida, e a vida era a luz dos homens.

    5 E a luz resplandece nas trevas, e as trevas não a compreenderam.

    6 Houve um homem enviado de Deus, cujo nome era João.

    7 Este veio para testemunho, para que testificasse da luz, para que todos cressem por ele.

    8 Não era ele a luz, mas para que testificasse da luz.

    9 Ali estava a luz verdadeira, que ilumina a todo o homem que vem ao mundo.

    10 Estava no mundo, e o mundo foi feito por ele, e o mundo não o conheceu.

    11 Veio para o que era seu, e os seus não o receberam.

    12 Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, aos que crêem no seu nome;

    13 Os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus.



    Tito cap. 2:

    11 Porque a graça de Deus se há manifestado, trazendo salvação a todos os homens,

    12 Ensinando-nos que, renunciando à impiedade e às concupiscências mundanas, vivamos neste presente século sóbria, e justa, e piamente,

    13 Aguardando a bem-aventurada esperança e o aparecimento da glória do grande Deus e nosso Salvador Jesus Cristo;

    14 O qual se deu a si mesmo por nós para nos remir de toda a iniqüidade, e purificar para si um povo seu especial, zeloso de boas obras.




    Filipenses cap.2:

    5 De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus,


    6 Que, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus,

    7 Mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens;


    8 E, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte, e morte de cruz.



    9 Por isso, também Deus o exaltou soberanamente, e lhe deu um nome que é sobre todo o nome;

    10 Para que ao nome de Jesus se dobre todo o joelho dos que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra,



    11 E toda a língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para glória de Deus Pai.

    ResponderExcluir
  13. O Hosaka hoje está mais angustiado que barata de ponta-cabeça, hehehe

    ResponderExcluir